MS registra menor média de mortes por coronavírus desde março

Estado tem uma média de 18,9 óbitos por dia


PUBLICIDADE

MIDIAMAX

Estado apresenta queda na média de mortes, mas variante delta ameaça melhora. - Foto: Henrique Arakaki/Midiamax
PUBLICIDADE

Depois de passar pelo pico da pandemia e colapso na saúde pública em junho, a vacinação avançou e os casos de coronavírus estabilizaram em Mato Grosso do Sul. Nesta quinta-feira (29), o Estado registrou a média de 18,9 óbitos diários. Esta é a menor média móvel em MS em muito tempo: a última vez que o Estado teve uma média móvel de mortes abaixo de 20 foi no dia 8 de março, há quase cinco meses. 

A média de mortes por covid tem apresentado queda no último mês. No dia 9 de julho, o Estado tinha uma média de 30,1 óbitos por dia. Já no dia 17 de julho, a média caiu para 21 mortes diárias. Nesta quinta (29), o Estado chega à média de 18,9 mortes por dia. O recorde histórico foi registrado no dia 10 de abril, quando MS chegou a uma média de 56,7 mortos por coronavírus por dia.

O avanço da vacinação foi importante para garantir menos infectados e, consequentemente, menos internações e mortes. A média de casos também apresenta queda em Mato Grosso do Sul: nesta quinta (29), é de 587 casos diários. O recorde histórico foi registrado no dia 3 de junho, com 2.003 casos de coronavírus. 

Apesar do avanço da campanha, ainda não é hora de relaxar com os cuidados. O Estado prevê que 80% da população adulta deve ser vacinada com, pelo menos, uma dose até o fim de agosto. Além disso, a variante delta começa a cercar MS e já está presente nos estados vizinhos, como Goiás, São Paulo e Paraná. A SES (Secretaria de Estado de Saúde) demonstrou preocupação com aumento de casos nas cidades que fazem divisa com outros estados. 

O Estado tem apresentado melhora nos indicativos da pandemia, mas o cenário pode mudar completamente com a chegada da variante delta. Em entrevista ao Jornal Midiamax, o médico infectologista e pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Julio Croda, disse que há  preocupação com a variante delta. A variante é, pelo menos, 2 vezes mais transmissível do que a P1 (Gama) e, consequentemente, mais letal.




PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE