Ivinhema - MS, segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

22º min
33º min



Publicado em: 12/01/2019 às 09h33

Áudio vazou: Com fama de festeiro, político de MS é suspeito de encomendar droga de dentro do fórum


Midiamax

Foto: DIvulgação

Vereador de Água Clara é suspeito de encomendar droga de dentro do Fórum da cidade. Ele exerce função de oficial de justiça e foi implicado depois que a Polícia Civil teve acesso a um áudio no celular de outro homem, que supostamente faria a entrega na repartição pública.

 

O ‘entregador’ foi preso durante operação em dezembro. O parlamentar tem fama de festeiro e é conhecido por supostamente patrocinar festar regadas a bebidas e drogas, inclusive a menores. Ele nega as acusações e também já atuou como Policial Civil, em 2004. As informações são do JPNews.

 

Rapidamente, o áudio com o pedido do vereador viralizou nas redes sociais e aplicativos de mensagens. Nele, a voz atribuída ao vereador pede R$ 50 em cocaína, pois a pedra que havia comprado teria “esfarelado no bolso”, devido uma forte tempestade na região.

 

O mototaxista de 27 pede para ele esperar até a chuva passar e disse que lhe avisou que isso aconteceria, mas o comprador estaria “doidão”. Eufórico, ele diz: Cola aqui no Fórum, S[ó estou eu aqui, Rapidão (sic)! Agora, agora, agora”, implora.

 

Responsável pelo caso, o delegado Felipe Alves Madeira informou que prendeu ao menos cinco pessoas e indiciou outras, mas disse que é “prematuro dizer qualquer coisa”. O mototaxista nega ter vendido a droga ao vereador.

 

“O caso deu bastante repercussão na cidade e vamos apurar outros detalhes. Todos os inquéritos da operação forma encaminhados e a ocorrência deste fato novo registrada. Ainda vamos ver se instauramos ou não um inquérito e oferecer denúncia ao Poder Judiciário”, disse.

Festeiro

 

O vereador é suspeito de promover festas regadas a bebidas alcoólicas, servidas, inclusive, a menores de idade. Em abril de 2018, batida policial em um clube da cidade quatro jovens foram presos e ele apontado como patrocinador do evento. Ao JP News, ele negou as acusações e não quis gravar entrevista.

 

Presidente da Câmara Municipal, vereador Saylon Cristiano Morais (PDT), disse que está ciente e acompanhando o andamento do caso.